Rádio Educativa 87,9 FM

(66) 3573-1735

Notícias/Paranatinga

Profissionais da educação de Paranatinga fazem paralização nesta segunda-feira

Faixas com dizeres “Piso é Lei. Cumpra!” e “Eu não Abro Mão RGA Já!” foram fixadas

Profissionais da educação de Paranatinga fazem paralização nesta segunda-feira
Imagens
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Na manhã desta segunda-feira (16), data em que se comemora o Dia Mundial do(a) Funcionário(a) da Educação, que tem como intuito enfatizar as lutas necessárias para alcançar uma educação de qualidade, em que é preciso buscar visibilidade, formação e valorização do trabalho, profissionais da educação de Paranatinga fizeram um café da manhã na praça central pedindo que direitos previstos em Lei sejam cumpridos. Faixas e cartazes com os dizeres “Piso é Lei. Cumpra!” e “Eu não Abro Mão RGA Já!” foram fixadas na Avenida Brasil.


A principal bandeira de luta desses profissionais é o reconhecimento dos governos e da sociedade que exercem funções essenciais no processo educacional. A pauta da categoria destaca cinco pontos:


1) Pela recomposição mínima de 21,58% para equiparar o Piso Salarial de 3,845,63.

2) Pela cobrança da Negociação salarial por parte do governo.

3) Contra o confisco das Aposentarias dos Trabalhadores/as

4) Pelo pagamento da RGA devida aos trabalhadores desde 2018.

5) Pela retomada da política de formação Profissional dos funcionários /as de escola

Todas as escolas da rede estadual de ensino não tiveram aula, já na rede municipal apenas as escolas municipais Rui Barbosa, 17 de dezembro e 03 de maio participaram da paralização. A previsão é que as aulas retornem ao normal nesta terça-feira.

De acordo com a presidente do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Paranatinga Rosilene Carlini os professores não querem aumento de salário e sim equiparação salarial do município ao piso nacional e também pedem a Revisão Geral Anual sobre suas remunerações (RGA) do governo estadual.


As faixas que foram colocadas na praça dizem que o Governo Mauro Mendes deve 21,58% da recomposição do piso salarial (RGA) e o prefeito Marquinhos deve aos professores equiparação dos salários ao piso nacional previsto em Lei.

FONTE/CRÉDITOS: Daniel Renostro
Comentários:

Veja também

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )